Os prós e contras da cama compartilhada

Os prós e contras da cama compartilhada

A cama compartilhada esta rodeada de mitos, opiniões e dúvidas. Por exemplo: é segura para o bebê? Pode causar dependência emocional? Qual seria o melhor método para a criança dormir (cama compartilhada, berço acoplado, cada um em sua cama)? Compartilhar a cama com os filhos causa alguma dependência?

Primeiramente, devemos entender que a cama dos pais para as crianças significa conexão, estar junto, aconchego e segurança. Estes sentimentos não afetam em nada o desenvolvimento da autonomia da criança. Muito pelo contrário, a criança segura emocionalmente lida melhor com os desafios do mundo.

Um estudo publicado na revista Pediatrics mostrou que os pequenos devem adormecer no quarto dos pais até os seis meses de vida. Essa também é a recomendação da Associação Americana de Pediatria (AAP) para facilitar a amamentação durante a noite e garantir maior vigilância dos pais com o bebê. Entretanto, se ele for monitorado por uma babá eletrônica, pode ficar em seu quarto, no berço, sem maiores riscos. Já a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) contraindica a prática de cama compartilhada, porque argumenta que ela apresenta mais perigos do que benefícios.

Para muitos pais, compartilhar a cama é algo natural. Para isso, basta seguir algumas recomendações para que seja feito com segurança. Assim, mesmo que o bebê tenha alguns despertares na madrugada, esse padrão de sono passa despercebido pelos pais e muitas mães relatam que se sentem mais descansadas.

O assunto é polêmico, mas no final a decisão é dos pais. Não temos a intenção aqui de julgar se compartilhar a cama é certo ou errado, mas sim dividir algumas considerações importantes na hora de tomar esta decisão.

  • Para o bebê, a sensação de aconchego por estar perto fisicamente da mãe é muito importante. Isso faz com que ele se sinta seguro e, consequentemente, fique mais calmo. Para a mãe, existe a facilidade de estar ali perto do bebê e não ter de sair da cama para atendê-lo.
  • O vínculo pais e filhos é construído a partir da interação e pode ser reforçado a todo momento, não estando associado exclusivamente com dormir junto.
  • Mantenha o quarto fresco e arejado.
  • Não use cobertores ou almofadas muito pesadas e grandes.
  • O colchão deve ser firme e oferecer espaço suficiente para acomodar a família.
  • Não utilize pijamas com cordões que possam enroscar no bebê.
  • Prenda o cabelo se for longo.
  • Não deixar nenhum vão em que o bebê possa ficar preso.
  • O bebê não deve compartilhar a mesma cama com outros adultos, irmãos ou pets.
  • Os pais devem reforçar a consciência de que o bebê está na cama, enviando essa informação ao cérebro, a fim de manter a devida atenção, mesmo durante o sono.
  • Não compartilhar a cama com o bebê se um dos pais fizer uso de medicamentos para dormir ou tiver ingerido álcool.
  • Pais fumantes também devem evitar a cama compartilhada.

Uma alternativa à cama compartilhada é o berço ser colocado ao lado da cama ou acoplado para dar segurança ao bebê. Assim, vocês compartilharão o mesmo espaço.

E na sua casa, como funciona? Você compartilha a cama ou cada um fica no seu quarto? Diga pra gente sua opinião e experiência!

Acompanhe-nos pelo blog e redes sociais e veja muitas dicas importantes para o seu dia a dia. Estamos juntas para descomplicar o seu dia a dia, trazendo desenvolvimento saudável, diversão, disciplina e desmistificando a primeira infância.

Sem Comentários

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será exibido.